Concrete Logo
Hamburger button

Os principais desafios de um Scrum Master e seus mal-entendidos

  • Blog
  • 20 de Abril de 2018

Tenho notado em minha trajetória pelo mundo ágil que, apesar de bem definido pelo Scrum Guide – um guia para o framework Scrum -, o papel do Scrum Master (SM) não está claro para muitas pessoas, especialmente porque uma de suas principais competências é a de ser um facilitador. O que dá margem para infinitas possibilidades e confusões quanto a suas reais atribuições.

Como o trabalho de um Scrum Master é também dar transparência – um dos três pilares do Scrum -, resolvi pesquisar sobre a definição das competências desse papel para fazer um contraponto com alguns mal-entendidos que vemos por aí. Foi aí que encontrei o artigo do Barry Overeem, um Professional Scrum Trainer pela Scrum.Org, respeitado em toda a comunidade, escrito enquanto ele se preparava para o workshop que fez para o Scrum Day Londres e para o Scrum Day Varsóvia.

Me baseei nesse texto para esclarecer melhor o que está e o que não está no escopo do trabalho Scrum Master e ainda tomei a liberdade de adicionar exemplos do meu dia a dia. O resultado, compartilho com vocês a seguir.

As 8 competências mais importantes de um SM

O Scrum Master atua como um…

  1. Líder Servidor: o foco não está em suas próprias necessidades, mas naquelas dos membros do time e daqueles que servem o cliente, visando obter resultados em prol dos valores, princípios e objetivos de negócios da empresa. Coloca-se sempre à disposição do Time Scrum e dos stakeholders, a fim de garantir um bom equilíbrio entre o valor entregue e a qualidade de vida da equipe;
  2. Coach: treina o mindset e o comportamento do indivíduo, a melhoria contínua da equipe e o senso de colaboração para com o Time Scrum. Fazendo às equipes as perguntas certas, ajudando a promover nela a autonomia e o ownership sobre suas decisões;
  3. Facilitador: como o próprio nome diz, procura deixar tudo mais fácil, deixando pronto o cenário e provendo ao time limites claros sobre os quais ele possa colaborar. É quem vai ajudar as pessoas a superararem suas próprias dificuldades para alcançar um objetivo. Em outras palavras, sua liderança é fruto da sua servidão e não imposta por algum tipo de hierarquia ou regra;
  4. Professor: garante que o Scrum e outros frameworks relevantes sejam compreendidos e difundidos. Ele também observa a realidade do time e sugere modificações que o ajude a melhorar de alguma forma;
  5. Mentor: transfere conhecimento ágil e experiência à equipe. Faz parte do trabalho do SM, com base em sua vivência, dar conselhos e sugerir melhorias;
  6. Gerente de Processos: através da gestão de impedimentos, elimina o desperdício, colaborando para criar um time de alta performance – que entrega valor aos stakeholders -, sem que a saúde mental e física da equipe seja comprometida. Faz a gestão dos limites da auto-organização, gerenciando a cultura da organização. É quem busca e ajuda a implementar processos que impactam, positivamente, no trabalho do Time de Desenvolvimento;
  7. Removedor de Impedimento: atua diretamente em tudo que atrapalha o progresso do time, tendo em mente as capacidades auto-organizadas da Equipe de Desenvolvimento. Aquela figura que, ao notar que algum membro da Equipe de Desenvolvimento não pode sair para almoçar, traz comida para ele;
  8. Agente de Mudança: provendo uma mudança cultural que faça com que novos times de Scrum venham a aparecer. É quem, percebendo que o nível de maturidade ágil do cliente é baixo, pode convocar os outros Scrum Masters de lá para organizar palestras de Agilidade.

Uma abordagem de esclarecimento

O Scrum Master é, muitas vezes, considerado como alguém que atua como…

  • Escriba: aquele que anota tudo em cada evento Scrum, desde o planejamento da Sprint, passando pelo planejamento do dia, discussões nas reuniões de Refinamento, chegando aos comprometimentos feitos nas Retrospectivas;
  • Secretário: que planeja os eventos Scrum e mantém a agenda de todas as equipes e do Product Owner, colocando os feriados, days-off atualizados e compromissos;
  • Policial do Scrum: faz o chamado “Scrum Mecânico”, em que as regras do Scrum Guide são mais importantes do que a empatia pela situação e contexto atual da equipe. Aquele que, no meio de uma discussão importante, ao invés de facilitá-la para que se encaminhe para uma resolução, simplesmente diz que “o timebox acabou”;
  • Chefe da equipe: o que contrata, demite e define se alguém merece ou não um aumento de salário. É o Scrum Master que julga se a velocidade do time está satisfatória e pede que a Equipe de Desenvolvimento acelere para “ter mais entregáveis”;
  • Administrador de ferramenta: caso você precise de alguma atualização no Jira, Trello ou até uma manutenção no GitHub, o Scrum Master é seu melhor amigo por conhecer cada fluxo de trabalho de “olhos fechados”;
  • Proprietário do quadro de Scrum: a equipe faz uso daquele quadro físico, que deveria refletir o andamento do desenvolvimento em prol da meta da Sprint, e adivinha quem não o tem atualizado: o Scrum Master;
  • Presidente da reunião diária de Scrum: todo dia o Time Scrum reporta o que fez ou o que deixou de fazer para o presidente do Scrum. Assim fica fácil para o Scrum Master escrever um report diário do projeto para seus superiores, certo?;
  • Herói: é um pássaro? Um avião? Não, é o Super Scrum Master! Aquele que resolve todos os blockers antes mesmo deles existirem (uau! E ainda é vidente!); é o viciado em solucionar problemas, principalmente quando há adrenalina envolvida. A equipe é secundária, o que importa é manter seu status de herói a qualquer custo;
  • Servidor de café: não tem problema algum em fazer café para o seu time, mas se você faz disso seu principal propósito do dia, algo está muito errado.

Fonte da Imagem

Encerramento

Neste post, foram descritas as principais competências de um Scrum Master e também os mal-entendidos mais comuns. É importante ressaltar, porém, que não é errado o Scrum Master exercer funções não esperadas em seu papel, desde que o seu time concorde que estão gerando valor.

Aí vai uma provocação: será que nós, como Scrum Masters, também não estaríamos colaborando para que esses mal-entendidos se propaguem? Ou então estamos pecando em não fazer transparecer nossas principais competências?

Este post foi baseado no texto Scrum Master Misunderstandings.

A agilidade está presente na Concrete desde o início, o que levou a empresa, hoje parte da Accenture Technology, a se tornar referência na transformação digital dos clientes. Criamos produtos digitais inovadores justamente por sermos uma consultoria de produtos, não apenas de tecnologia. No capítulo de Agilidade, a missão é capacitar os agilistas a maximizarem a entrega de valor, de maneira iterativa e incremental. Quer trabalhar com os melhores? Acesse: concrete.com.br/vagas